11 out 09h19

Aos 77 anos, morre o craque Paracatuense Dario Alegria, vítima de AVC.

Morreu, neste domingo, o ex-jogador de futebol Jurandir Dario Gouveia Damasceno,  carinhosamente conhecido como Dario Alegria. Desde muito jovem, Dario se destacava no esporte chegando a jogar em Paracatu, Brasília, Belo Horizonte, no Rio de Janeiro, em São Paulo e no México.

Em sua carreira acumularam-se gols e títulos. Aposentou-se do futebol e seguiu com outras atividades aqui em Paracatu, algumas delas ligadas à cultura. Sempre carismático, deixava sua Alegria por onde passava.

Em sua última entrevista à TV Minas Brasil, em junho deste ano, Dario Alegria estava bastante contente por ter tomado a vacina contra a Covid-19 e cheio de expectativas para o lançamento do seu livro, “O Leopardo das Alterosas”.

Texto: Eucaria Birro - TVMB

Biografia de Dario

Jurandir Dario Gouveia Damasceno dos Santos, ou Dario Alegria, nasceu em abril de 44, em Paracatu-MG. Viveu sua infância no quilombo Muriti da Costa.

"Foi uma infância de muita dificuldade, como a da maioria dos negros. Paracatu nasceu sob o chamado Ciclo do Ouro. Até hoje, grandes indústrias se estabelecem na cidade para trabalhar na extração do ouro. Durante o período do reinado, muitos escravos negros foram trazidos para cá, tanto que mais de 70% da população atual de Paracatu é formada por afrodescendentes. Quando acabou a escravidão, os negros foram dispensados e, como não tinham onde ficar, ocuparam terras sem dono, formando quilombos. Meu avô (Darilo) foi escravizado no garimpo e depois viveu no quilombo Muriti do Costa, assim como eu e meu pai", relembra o ex-atleta, em declarações divulgadas pelo Palmeiras.

Para se tornar jogador de futebol, Dario contou com a ajuda de Augusto da Costa, zagueiro da Seleção na Copa de 1950, que o viu em campo em uma partida amistosa e ofereceu ajuda para iniciar a carreira, indicando uma ida ao Vasco.

Antes de ir ao clube carioca, no entanto, o ponta recebeu uma proposta melhor do América, onde atuou entre 1964 e 1965 e chamou atenção do Palmeiras. No Alviverde, Dario fez parte da equipe que ficou conhecia como a Primeira Academia.

Dario se destacava pela velocidade, e com pontaria certeira. "Eu não era um craque, mas sabia finalizar e tinha muita velocidade. Fazia 100m em 11 segundos e pouco. Pedia pro Ademir esticar a bola na frente pra eu ganhar do zagueiro na corrida".

Após a carreira no futebol, Dario concentrou seus esforços na pauta antirracista e fundou em Paracatu o Instituto de Defesa da Cultura Negra e dos Afrodescendentes, com o objetivo de 
resgatar a história dos negros escravizados no estado de Minas Gerais.


*Permitido compartilhamento e ou cópia desde preservada a fonte  (LEI Nº 9.610/98)
news blog comunica not reporter a midiadigital noroestemineiro facebook youtube tradutor google hotmail mercado livre whatsapp gmail  globo uol google tradutor previsão do tempo olx traduzir netflix yahoo messenger jogos instagram whatsapp web g1 outlook clima minecraft bol covid19 coronavirus pandemia paracatu vagas de emprego estág
fullscreen

© 2015 - PARACATU.NET - Todos Direitos Reservados. by #mndti