14 out 16h01

Noroeste evolui para Onda Verde e poderá abrir escolas e realizar eventos

A macrorregião de saúde Noroeste alcançou índices para evoluir da Onda Amarela para a Onda Verde. É a primeira vez, desde o lançamento do Minas Consciente e a polêmica do entra e sai do plano que Paracatu e região alcançam a onda mais flexível do Plano. Vale ressaltar que "microregião de Paracatu" continua na onda amarela e cabe ao comitê local decidir sobre a mudança.

A evolução para a Onda Verde vale para o período de 17 a 23 de outubro. Nessa fase, voltam a funcionar, por exemplo, o setor de eventos e cinemas. Restaurantes e bares também ficam permitidos a oferecer entretenimento, como música ao vivo. 

Para efetivar as liberações da fase mais flexível do plano, o Comitê Municipal de Enfrentamento à Covid-19 deve divulgar os protocolos a serem seguidos.

Escolas - Pelo Minas Consciente, o ensino curricular está autorizado a oferecer aulas presenciais na fase verde. Mas, quanto a esse segmento em especial, haverá análises mais apuradas para definições específicas, assim como ocorreu em relação à educação superior. As faculdades podem voltar ao ensino tradicional, de forma escalonada, a partir do dia 19 de outubro.

Metade das macrorregiões de Saúde de Minas Gerais - o que representa 8 das 14 macros - está inserida na onda verde, a mais avançada do plano. A definição foi deliberada em reunião do Comitê Extraordinário Covid-19, nesta quarta-feira (14/10), após análise dos bons índices epidemiológicos mantidos no estado nesta fase da pandemia.

As alterações permitiram que as macrorregiões Triângulo do Norte, Sudeste, Noroeste e Centro sejam autorizadas a evoluir para a onda verde, após passarem 28 dias na onda amarela com índices estáveis.

Há duas semanas sem nenhuma região na onda vermelha, cenário em que se permite apenas o funcionamento de serviços essenciais - como supermercados, padarias e farmácias -, as demais macrorregiões do estado permanecem na onda amarela. Nesta fase, é permitida a abertura de academias, clubes e bares, por exemplo.

A macrorregião Noroeste apresentou um quadro controlado da doença após passar 28 dias na onda amarela, o que permitiu o avanço para a onda verde, que possibilita a abertura de serviços não essenciais com alto risco de contágio. São eles:

- Atividades artísticas, como produção teatral, musical e de dança e circo;

- Cinemas, bibliotecas, museus, arquivos;

- Parques, zoológicos e jardins;

- Feiras, congressos, exposições, filmagens de festas, casas de festas, bufê;

- Parques de diversão, discotecas, boliches, sinuca;

- Bares com entretenimento (shows e espetáculos);

- Serviços de colocação de piercings e tatuagens.

*Para avançar para a onda verde, as cidades precisam estar há 28 dias consecutivos na onda amarela, sem sofrer retrocessos durante esse período.

Resultado de planejamento

Para o secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, o atual controle da taxa de óbitos e de casos de covid-19 em Minas Gerais é resultado do planejamento feito pelo governo, ao decidir lançar o plano Minas Consciente, ainda em abril, centrado em estudos técnicos e epidemiológicos das Secretarias de Estado de Saúde (SES-MG) e Desenvolvimento Econômico (Sede).

“Estamos conseguindo o equilíbrio que o plano sempre buscou, que é a retomada gradual e responsável da atividade econômica. Isso mostra que nós estamos dentro de uma metodologia bem construída, com acompanhamento técnico, fazendo com que a nossa economia se reative com segurança e cuidado com as pessoas”, disse o secretário.

Para o chefe de gabinete da SES-MG, João Pinho, o controle dos índices, até o momento, é resultado das políticas implementadas ao longo dos meses.
“O aumento de casos vem diminuindo, foram apenas 35 na semana, os surtos estão controlados, a taxa de incidência da doença caiu 18% e o isolamento se mantém estável. A população definiu sua rotina: quem precisa sair para trabalhar, tem saído, mas quem se adaptou ou pode estar em casa, está em casa”, afirmou.

Apesar dos bons índices, o chefe de gabinete da SES-MG mantém o alerta para que as medidas de distanciamento e higiene sejam constantes, visando ao controle da doença.

“A gente caminha para um novo momento na pandemia. Mas não é uma situação que garante o futuro porque esse futuro está diretamente ligado ao comportamento da população. É uma situação que ressalta bastante o compromisso do Estado e as ações de todas as secretarias envolvidas sob a gestão do governador Romeu Zema”
, destacou Pinho.



Fonte: Agência Minas

© 2015 - PARACATU.NET - Todos Direitos Reservados. by #mndti