6 nov 2009 00h30

Pesquisas destacam tráfico e exploração sexual em Minas Gerais

WebReporter

Estado com a maior malha rodoviária e maior número de municípios do Brasil, Minas Gerais se destaca também no mapa do tráfico de seres humanos e turismo sexual no Brasil. É o que revelam os dados citados em reunião nesta terça-feira (27/10/09) da Comissão de Turismo, Indústria, Comércio e Cooperativismo da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Realizada a requerimento dos deputados Carlos Gomes (PT), Eros Biondini (PTB) e Tenente Lúcio (PDT), a reunião discutiu o tráfico de mulheres e crianças, além do turismo sexual em Minas e no Brasil.

Em Minas Gerais, existem mais de 1,8 mil pontos suspeitos de exploração sexual e tráfico de mulheres. Já uma pesquisa conjunta da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Polícia Rodoviária Federal contabilizou 290 pontos de exploração sexual de menores no Estado, maior número entre os estados brasileiros. Os dados foram citados pela presidente da Ação da Mulher Trabalhista do PDT, Sirley Soalheiro, como indicativos da gravidade do problema em Minas Gerais.

Segundo o Deputado Estadual Eros Biondini (PTB): Não se pode descansar enquanto não houver um trabalho concreto que destrua esta cadeia de maldades. "As crianças têm o direito a uma infância inocente e vemos exemplos absurdos hoje em dia, em que muitas crianças são cada vez mais despojadas da sua verdadeira infância, são vítimas das pessoas que as exploram sexualmente."

"É triste que Minas se destaque desta forma negativa pelo abuso e exploração de nossas crianças", afirmou o deputado Antônio Carlos Arantes (PSC). O deputado Doutor Ronaldo (PDT) afirmou que essa realidade hoje está estampada nos meios de comunicação. "As denúncias de crimes sexuais na televisão são diárias", afirmou. O deputado Carlos Gomes destacou a ilusão de que são vítimas as mulheres atraídas para a exploração sexual no exterior. Já o presidente da comissão, deputado Tenente Lúcio, ressaltou a necessidade de despertar, na sociedade, o respeito pela mulher e pela criança.

Os quatro deputados assinaram requerimento aprovado na reunião para que seja enviada ao Congresso Nacional sugestão de aprimoramento na legislação que reprime o tráfico de seres humanos, para fins de exploração sexual. O crime está previsto no artigo 231 do Código Penal, regulamentado pela Lei 12.015, de agosto de 2009. O artigo 231 estabelece pena de 3 a 8 anos de prisão para quem "promover ou facilitar a entrada, no território nacional, de alguém que nele venha a exercer a prostituição ou outra forma de exploração sexual, ou a saída de alguém que vá exercê-la no estrangeiro".

Penalidade precisa ser divulgada para turistas

A legislação foi criticada como insuficiente por algumas das participantes da reunião. A presidente nacional da Ação da Mulher Trabalhista do PDT, Miguelina Vecchio, considerou branda a pena prevista no Código Penal. Ela defendeu a adoção de penas adotadas em outros países, de 10 a 30 anos de prisão para o crime. A embaixadora encarregada da Seção de Assuntos da Mulher, Criança, Juventude e Idosos da ONU-OEA, Luisa Vicioso Sánchez, salientou a importância de se divulgar a penalidade prevista em lei para os turistas. Ela sugeriu que essa divulgação aconteça em publicações direcionadas para turistas e mesmo em aviões.

De acordo com a embaixadora Luisa Sánchez, três países tem maior destaque na América Latina, como fonte de mulheres para o tráfico e exploração sexual. São eles o Brasil, a República Dominicana (no Caribe) e a Colômbia. "Há prostitutas brasileiras no mundo inteiro. O Suriname é conhecido por ser um inferno para as mulheres brasileiras", afirmou a embaixadora. Segundo ela, apenas a máfia japonesa Yakuza "importa" 2 mil mulheres por ano da América Latina, inclusive do Brasil. Estima-se que, em todo o mundo, o tráfico e exploração de mulheres renderia cerca de US$ 10 bilhões, anualmente.

Ferrovias - Um segundo requerimento aprovado na reunião, do deputado Carlos Gomes, solicita uma audiência pública para discutir a importância da reativação dos trens de passageiros e turísticos para o desenvolvimento da região entre Belo Horizonte e Conselheiro Lafaiete. O pedido sugere que se discuta ainda a contribuição para o transporte público de passageiros na região e a possibilidade de ampliação das ações turísticas e culturais.

Presenças - Deputados Tenente Lúcio (PDT), presidente; Antônio Carlos Arantes (PSC), Carlos Gomes (PT) e Doutor Ronaldo (PDT). Além das autoridades citadas no texto, participou a secretária executiva para Assuntos da Mulher do PDT/BH, Adriana Ribeiro Barbosa.


Comissão vai discutir o assunto

Discutir a ocorrência de turismo sexual e tráfico de mulheres e crianças é o objetivo da audiência pública desta terça-feira (27), às 14 horas, no Auditório, da Comissão de Turismo, Indústria, Comércio e Cooperativismo da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. A reunião foi solicitada pelos deputados Tenente Lúcio (PDT), presidente da comissão, Eros Biondini (PHS) e Carlos Gomes (PT).

Segundo a justificativa do requerimento para a audiência, "em pleno século XXI, o tráfico de mulheres continua presente em nosso país e Minas Gerais faz parte dessa rota". Para os parlamentares, outro ponto a ser combatido é o turismo sexual e o pornoturismo, que tem o seu maior foco nas mulheres e nas crianças.

Foram convidados para a audiência a embaixadora encarregada da Seção de Assuntos da Mulher, Criança, Juventude e Idosos na (ONU-OEA), Luisa A S. Sherezada Vicioso Sánchez; a secretária de Estado de Turismo, Érica Campos Drumond; o secretário de Estado Extraordinário da Reforma Agrária, Manoel Costa; a presidente Nacional da Ação da Mulher Trabalhista de Minas (AMT) e vice-presidente da Internacional Socialista de Mulheres para a América Latina, Miguelina Vecchio; a presidente da AMT-MG e representante da AMT na Conferência Permanente de Partidos Políticos na América Latina e Caribe (Copppal), Sirley Soalheiro; o prefeito de Nova Serrana, Paulo César de Freitas, presidente em exercício do PDT; e a secretária executiva para Assuntos da Mulher do PDT/BH, Adriana Ribeiro Barbosa.



Veja também:
SBT: Reportagem denuncia exploração sexual no Jequitinhonha

http://mais.uol.com.br/view/161870

Durante duas semanas, a equipe do repórter Sérgio Utsch percorreu 2.500 quilômetros por uma das porções mais pobres do Brasil. Com um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) inferior ao de países como a Bolívia, o vale do Jequitinhonha revela a face menos conhecida de uma região rica em belezas naturais e patrimônios históricos.
fullscreen

Recentes

Mais Vistos

© 2015 - PARACATU.NET - Todos Direitos Reservados. by #mndti