16 jan 2010 12h55

Você conhece a Dona Cacilda?

Glauber César Rodrigues
“Dona Cacilda é uma senhora de 92 anos, miúda, simpática, com aquele sorriso largo acolhendo a todos e apesar de sua pouca visão, está sempre ajeitando o cabelo, a roupa (vaidosa).

Ela se mudou para uma casa de repouso em Brasília: o marido, com quem ela viveu 70 anos, morreu recentemente, e não havia outra solução. No último final de semana, observei um fato enquanto eu aguardava um outro paciente: Depois de esperar pacientemente por duas horas na sala de visitas, ela ainda deu um lindo sorriso quando a atendente veio dizer que seu quarto estava pronto.

Enquanto ela virava o andador, falei sobre o que eu vi no seu quartinho minúsculo quartinho, comentei sobre cortinas floridas. Ela me interrompeu com o entusiasmo de uma criança que acabou de ganhar um brinquedo novo. – Ah, eu adoro essas cortinas… – Dona Cacilda, a senhora ainda nem viu seu quarto depois de reformado… espera mais um pouco…

Em seguida ela respondeu com palavras que mudaram minha vida a partir daquele momento:
– Isso não tem nada a ver, Felicidade é algo que você decide por princípio. Se eu vou gostar ou não do meu quarto, não depende de como os móveis vão estar arrumados… vai depender de como eu preparo minha expectativa. E eu já decidi que vou adorar. É uma decisão que tomo todo dia quando acordo. Sabe, eu posso passar o dia inteiro na cama, contando as dificuldades que tenho em certas partes do meu corpo que não funcionam bem… ou posso levantar da cama agradecendo pelas outras partes que ainda me obedecem. Simples assim?… Nem tanto; isso é para quem tem auto-controle e exigiu de mim um certo “treino” pelos anos a fora, mas é bom saber que ainda posso dirigir meus pensamentos e escolher, em consequência, os sentimentos.

Calmamente ela continuou:
– Cada dia é um presente, e enquanto meus olhos se abrirem, vou focalizar o novo dia, mas também as lembranças alegres que eu guardei para esta época da vida. A velhice é como uma conta bancária: você só retira aquilo que guardou. Então, meu conselho para você é depositar um monte de alegrias e felicidades na sua Conta de Lembranças. E aliás, obrigada por este seu depósito no meu Banco de Lembranças. Como você vê, eu ainda continuo depositando e acredito que, por mais complexa que seja a vida, sábio é quem a simplifica”.

Depois de um tempo me passou um papel amassado que dava pra ver que tinha muitos anos e escrito a mão e que transcrevo aqui como sendo as Receitas da Dona Cacilda para se viver bem:

1. Jogue fora todos os números não essenciais para sua sobrevivência. Isso inclui idade, peso e altura. Deixe o médico se preocupar com eles. Para isso ele é pago.

2. Freqüente, de preferência, seus amigos alegres. Os “baixo-astral” puxam você para baixo.

3. Continue aprendendo. Aprenda mais sobre computador, artesanato, jardinagem, qualquer coisa. Não deixe seu cérebro desocupado. Uma mente sem uso é a oficina do diabo. E o nome do diabo é Alzheimer.

4. Curta coisas simples.

5. Ria sempre, muito e alto. Ria até perder o fôlego; ria para você mesmo no espelho, ao acordar e que o sorriso seja sua última ‘atitude’ antes de dormir.

6. Lágrimas acontecem. Aguente, sofra e siga em frente. A única pessoa que acompanha você a vida toda é VOCÊ mesmo. Esteja VIVO enquanto você viver e seja uma boa companhia para si mesmo.

7. Esteja sempre rodeado daquilo que você gosta: pode ser família, animais, lembranças, música, plantas, um hobby, o que for. Seu lar é o seu refúgio, sua mente seu paraíso.

8. Aproveite sua saúde. Se for boa, preserve-a. Se está instável, melhore-a da maneira mais simples: caminhe, sorria, beba água, ore, veja comédias, leia piadas ou histórias de aventuras, romances e comédias. Se está abaixo desse nível e não consegue fazer nada por si mesmo, peça ajuda.

9. Não faça viagens de remorsos. Viaje para o shopping, para cidade vizinha, para um país estrangeiro, pega carona numa cauda de cometa, imagine os mais diversos objetos formados pelas nuvens no céu, mas evite as viagens ao passado, pois você pode ficar retido na estação errada. Escolha as lembranças que quer ter; não se deixe dominar por elas ou perderá o direito à escolha.

10. Diga a quem você ama, que você realmente o ama, e diga isso em todas as oportunidades, através do olhar, do toque, das palavras, das ações diárias e do carinho. Seja feliz com seu próprio sentimento e não exija retribuição; você terá, de graça, o que o outro sentir; nada mais, nada menos.
fullscreen

© 2015 - PARACATU.NET - Todos Direitos Reservados. by #mndti